quinta-feira, 29 de abril de 2010

Simples assim...

Conheci o bem e o mal,
o pecado e a virtude, o certo e o errado,
julguei e fui julgado;
passei pelo nascimento e pela morte,
pela alegria e pelo sofrimento, pelo céu e pelo inferno,
e no final eu reconheci
que estou em tudo
e que tudo vive em mim.
Hazrat Inayat Khan
(no livro "A Doença Como Caminho" - Dethlefsen, Thorwald e Dahlke, Rüdiger - Ed. Cultrix)

domingo, 11 de abril de 2010

A sabedoria no viver



Como a vida continua, do outro lado do mundo...

A transformação surge na floração das cerejeiras. Bela imagem. Galhos carregados de flores brancas e cor-de-rosa. Corações alegres. Euforia que dura uma semana.
O auge do florescimento foi no último fim de semana.

" (...) A beleza das árvores impressiona, mas o mais divertido é observar a transformação no comportamento dos japoneses, em geral introspectivos. (...)

- Esta é a única época do ano em que os japoneses caminham olhando para o alto - observa a japonesa Shino, admitindo que, em seu país, a maior parte das pessoas costuma andar apressada e com a cabeça baixa. (...)

Mas não é só farra que os japoneses buscam. Como quase tudo no Japão, há uma simbologia por trás do ritual: as cerejeiras são o símbolo da efemeridade da existência do homem, um lembrete de que a beleza da vida é fugaz. Elas representam também o recomeço e, por isso, o ano nas escolas e nas empresas japonesas só começa em abril, junto com a chegada das flores. (...)

- (...) A reverência à sakura exemplifica a profundidade do caráter nacional: eles são apaixonados pela vida e se impressionam com a natureza - diz a advogada americana Kathryn Baxter, que vive em Tóquio. (...)"

Algumas termos e curiosidades apresentados no texto pra quem ainda não sabe:
- sakura: flor de cerejeira
- gaijins: estrangeiros
- hanami: o ritual de observação das flores
- yakitori: frango no espeto

* os japoneses realizam festa da firma (tipo a que realizamos ao final de cada ano) sob uma cerejeira e aos estagiários cabe a missão de encontrar as melhores árvores, os melhores lugares, o que garante pontuação diante dos chefes;
* são realizadas hanami parties enquanto as cerejeiras estão em flor;
* barraquinhas de comida e bebida são instaladas;
* lonas azuis são estendidas sobre o gramado e cestas de piquenique são reveladas;
* a flor de cerejeira é comestível e torna-se ingrediente principal nos doces;
* na padaria Kimuraya, o povo faz fila para comer o pão de sakura, fornecido para a família imperial.

Fonte: Ilha das flores, por Claudia Sarmento, Revista O Globo, 11 de abril de 2010, Lá Fora.

sexta-feira, 9 de abril de 2010

ENSAIOs e conversas

Novo texto nos ajudará na inspiração deste mês.
Sabedoria
Armando Ettore

Meu coração e minha língua fizeram um trato: quando meu coração estiver enfurecido, minha língua guardará silêncio.
As palavras respondem aos sentimentos, e os sentimentos às ideias.
Por isso, é impossível dominar nossas palavras se não somos senhores de nossos sentimentos; e estes sentimentos irão se acalmando segundo a força de nossas ideias.
A um coração que não se domina, responderão palavras violentas e ferinas; a um coração fechado em si, sucederão palavras e atitudes que depreciam os demais.
Por conseguinte, calarei quando meu coração não estiver sossegado e em calma; não falarei, pois seguramente me arrependerei do que disser ou, pelo menos, do modo como o disser, ou do momento em que o disser.
Se em geral o coração não costuma ser bom conselheiro, menos o será quando não estiver em paz e não se sentir senhor de si mesmo.

Postado por CIDA no blog em 8 de abril de 2010 14:40

quarta-feira, 7 de abril de 2010

SOS vida Rio


Vamos nos unir!

Cada um a seu modo, façamos um círculo de LUZ ao nosso redor, nossa casa, nossa família, nosso bairro, nossa cidade, nosso estado, nosso país, nosso planeta...

Assim como uma pedra jogada na água cria e expande o movimento, assim somos nós com as nossas vontades, pensamentos, emoções, ações... e consequências.
Água, astrologicamente/simbolicamente, representa emoção e sentimento.

Rio de Janeiro, Niterói, Angra e todas as cidades atingidas pelas últimas chuvas precisam de nós, da nossa clareza e percepção.

Mensagem recebida via e-mail:
Enviada em: quarta-feira, 7 de abril de 2010 06:30
Para: Meus Amigos
Assunto: Hoje, às 12:00 e 18:00h - Prece coletiva pelo Rio de Janeiro e arredores

Queridos amigos e amigas,
As águas continuam a cair aqui no Rio de Janeiro trazendo transtornos e mesmo tragédias dolorosas também nas cidades dos arredores. Peço um "minutinho" do seu tempo para que rezemos coletivamente pelo Rio, para que a energia poderosa do Pensamento de Amor e Luz se expanda mais rapidamente sobre todas essas áreas atingidas transmutando este quadro de dor em aprendizado de consciência coletiva.
Acabamos de festejar a Páscoa, que significa passagem, ressurreição/ascensão. Meditemos sobre este tema e sua relação com a água purificadora em nossa prece coletiva.
As horas sugeridas para esta prece coletiva são 12:00 e 18:00 horas. Mas qualquer momento também será válido. A prece que vocês escolherem será a que brotar naturalmente do seu coração.
A união é a força e nossas cidades desde já agradecem.
Com amor e respeito,
Ivonete Auricchio

P.S. - Se puder, passe adiante.

terça-feira, 6 de abril de 2010

em SINTONIA

Anjo© da Sabedoria para Abril

Mensagem de Inspiração
A sabedoria nasce da experiência, de um coração profundo e da vontade de aprender. Acrescente sua maturidade e seu conhecimento interno para alimentar espiritualmente cada momento criativo.

A sabedoria do inevitável é uma grande professora – começos, finais, a necessidade de comer e de dormir, as árvores perdendo suas folhas, e tudo o que nos faz amadurecer à medida que seguimos pela vida. Isto me faz lembrar o começo da oração da Serenidade: “Que Deus me dê a serenidade para aceitar aquilo que não posso mudar, a coragem para mudar aquilo que posso e a sabedoria para distinguir uma coisa da outra”.

Esta é a tarefa: saber a diferença. Mas como? Às vezes aquilo que podemos mudar está claramente definido enquanto que outras vezes está encoberto pela emoção. Cultivar um contexto interno para a nossa caminhada significa examinar minuciosamente nossos apegos. A sabedoria vem com a experiência e a maturidade, vem de vivenciar nossos aprendizados e de deixar aquilo que é ser, e ser, e ser.

O acesso à nossa sabedoria vem quando estamos mentalmente presentes, fazendo tudo aquilo que podemos para prestar atenção, utilizando tudo aquilo que aprendemos, trazendo as melhores técnicas que conhecemos, a melhor postura que temos, nosso melhor entendimento e aplicando-os imediatamente. Isto invocará a profunda e luminosa sabedoria de seu coração, alimentando cada momento criativo.

Toda cultura antiga tem um grupo interno de guardiões da sabedoria, que preservam e mantêm as tradições. Estes ensinamentos ocultos estão dentro do fluxo de nossa mente, prontos para revelar e ressaltar nossa compreensão do impulso evolutivo e nos dão segurança, quando chega o tempo de expulsarmos de nossas percepções coletivas, aquilo que é ultrapassado.

Que a Sabedoria dos Antigos liberte suas memórias e ilumine seu caminho para casa.

Calorosamente,
Kathy –
www.innerlinks.com

©2008 InnerLinks
Angel® Cards is a registered trademark of InnerLinks

ENSAIOs e conversas



Maturidade espiritual

Durante a infância, o ser humano experiencia a fase do egocentrismo. Acredita que o mundo gira em torno dele próprio. A criança espera que tudo seja do jeito que gosta. Acredita ter direito ao melhor presente, à comida preferida e exige a atenção da família toda para si.

É possível estabelecer uma comparação entre essa fase natural da evolução física e a evolução espiritual. Afinal, homens são Espíritos que temporariamente vestem um corpo de carne.
Enquanto um homem tem a atenção focada em seus prazeres e necessidades, ele está na infância espiritual. Por mais antigo que seja, ainda não atingiu a maturidade. Considera absolutamente necessário defender seu espaço e fazer valer suas prerrogativas. Como uma criança, entende ser justo o que o beneficia. Assim é o discurso infantil a respeito da justiça. Qualquer pequeno dever é injusto. A mínima contrariedade representa opressão. Já as vantagens todas, por grandes que sejam, são naturais.

A maturidade espiritual revela-se por uma diferente compreensão do justo. O olhar já não está todo em vantagens e desejos. Não há mais a percepção de que o mundo precisa atender todas as suas necessidades. Gradualmente, o homem compreende que o direito nasce do dever bem cumprido. Ele também entende que a vida em sociedade pressupõe renúncia. Não é possível que todos realizem as próprias fantasias. Se isso ocorresse, haveria o caos. Há necessidade de limites e de concessões para a harmonia social.

O homem maduro aprende a prestar atenção nos direitos dos outros, pois o ideal do justo já despertou nele. Sabe que a justiça é uma arte que implica dar a cada um aquilo que é seu. Por isso, não avança no patrimônio do semelhante. Não quer vantagens inapropriadas e nem aceita privilégios que os demais não podem ter. Compreende que a família do próximo é tão respeitável quanto a dele. Sabe que o patrimônio público é sagrado, pois voltado ao atendimento das necessidades coletivas. Respeita profundamente a honra e as construções afetivas dos outros. Seu senso ético não lhe permite baixezas, razão pela qual também tem a própria honra em grande conta.

O espetáculo das misérias humanas revela o quanto ainda são imaturas as criaturas, sob o prisma espiritual. Entretanto, todas serão conduzidas à maturidade, pelos meios infalíveis de que a vida dispõe. Cedo ou tarde, compreenderão quão pouco adianta amealhar bens e posições à custa da própria dignidade. Quem se permite baixezas tem um despertar terrível, após a morte do corpo. Assimila que, na cata de vantagens, se tornou um mendigo na verdadeira vida. Percebe que sacrificou o permanente pelo transitório e perdeu tempo, pois terá de recomeçar o aprendizado.

Pense nisso.



Fonte: Redação do Momento Espírita30.03.2010
Colaboração de Lindaci via e-mail.

domingo, 4 de abril de 2010

Feliz Páscoa!


Há duas formas para viver sua vida:
Uma é acreditar que não existem milagres.
A outra é acreditar que todas as coisas são milagres.
Albert Einstein